terça-feira, 2 de agosto de 2011

Significados e conceitos das operações de adição e subtração.

Esse caderno apresenta sugestões de atividades sobre os significados das operações com números naturais e os procedimentos de cálculo.
Não só no ensino fundamental, mas também no ensino médio, encontramos alunos que ainda não reconhecem as várias idéias ligadas às operações com números naturais e, por isso, não as identificam em situações-problema. É freqüente a pergunta feita pelo aluno: “É de somar ou de diminuir?”. Também há casos de alunos que apresentam dificuldades em utilizar estratégias pessoais ou algoritmos usuais das operações.
Nessa perspectiva, apresentamos sugestões de atividades relativas aos significados da adição e da subtração e as escritas aditiva e subtrativa dos números naturais.
Também nessa unidade são apresentadas atividades de observação de regularidades e utilização das propriedades da adição.
Você vai perceber, pelo desenvolvimento das aulas, que antes de tratarmos de algoritmos, queremos que o aluno vivencie experiências para a compreensão do conceito e das ideias dessas operações. Dessa forma, serão apresentadas variadas situações-problema, nas quais as crianças poderão utilizar estratégias de resolução, sem preocupação com algoritmos.
Estamos também incluindo atividades que levem o aluno à construção dos fatos básicos (“tabuadas”) da adição e da subtração. Uma pergunta que surge freqüentemente é: “Como levar meus alunos a memorizar todos os resultados da tabuada?”.
Para respondermos, é necessário que se faça uma explicação: em algum momento das séries iniciais do ensino fundamental, os alunos devem produzir respostas instantâneas para o repertório aditivo (tabuada da adição).
Entretanto, apesar de muitos esforços, determinados alunos nunca memorizam todo o repertório, o que nos leva a situar cada pessoa (adulto ou criança), entre dois grupos: os memorizantes e os reconstrutores. Os memorizantes conseguem armazenar na memória todo o repertório da tabuada, enquanto os reconstrutores armazenam apenas uma parte dos resultados e deles se utilizam para chegar a outros. Por exemplo, ao ser
questionado sobre o resultado de 7 + 8, o memorizante responde de maneira reflexa: 15.
O reconstrutor talvez se lembre de que 7 + 7 = 14 e, então, faça 14+1=15. Ou: 7+ 3 = 10 e 10 + 5 = 15.
É possível obter respostas rápidas da maioria dos alunos mas é ilusório achar que todos consigam alcançar esse nível. Conforme avançam na sua escolaridade, os alunos conseguem memorizar mais e mais resultados. Por outro lado, resultados que são pouco utilizados, podem ser esquecidos por alunos que antes o conheciam. Podemos tentar garantir o máximo de sucesso através de passos importantes, como: repetição através de atividades e jogos; compreensão de cada passo de uma atividade (memoriza-se com mais facilidade aquilo que se compreende); etc.













 Anexos



 Fonte: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO/ SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA/ FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO/ DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário